BrasilNotícias

MORTE DE PAULINHA ABELHA PODE ACARRETAR EM PRISÕES

A cantora Paulinha Abelha faleceu aos 43 anos após dias internada em estado grave em Aracaju (SE).

MORTE PRECOCE DA CANTORA

Prestes a completar 20 dias da morte da vocalista da banda Calcinha Preta, novas informações foram divulgadas pelo jornal ‘Diário do Nordeste’ – e têm repercutido na internet.

A questão é que o laudo do Instituto Médico Legal (IML) indicou 16 substâncias encontradas no corpo de Paulinha que teriam causado a morte precoce dela – uma mulher jovem e aparentemente saudável.

Diante disso, a polícia está investigando os profissionais, qualificados ou não, que receitaram os medicamentos encontrados no corpo da cantora.

HOMICÍDIO E ESTELIONATO

A depender do andamento das investigações, eles poderão responder por homicídio e estelionato. A Justiça pode entender que essas substâncias foram prescritas para Paulinha na tentativa de obter uma vantagem ilícita.

Mesmo que não tenha tido a intenção de matar, as pessoas que receitaram as substâncias para Paulinha Abelha podem responder por homicídio e pegar uma pena que varia de seis a 20 anos de cadeia. 

Outra possibilidade é o juiz considerar a forma culposa, como negligência, imprudência ou imperícia, e diminuir a pena para entre um e três anos.

CASO SEJAM CONDENADOS

Não para por aí! Os responsáveis podem ser condenados por estelionato se a Justiça julgar que a prescrição das substâncias foi feita para obter uma vantagem ilícita. Nesse caso, a pena é de reclusão de um a cinco anos, além de multa.

Além disso, profissionais que receitaram medicamentos nocivos à saúde para Abelha podem ser julgados de acordo com os códigos de ética de suas profissões – podendo receber pena de detenção de seis meses a dois anos.

PORQUÊ PAULINHA TOMAVA TANTAS MEDICAÇÕES?

Segundo o próprio marido disse em entrevista, a cantora buscava sempre o emagrecimento e tentava manter o corpo em forma.

Paulinha Abelha foi internada dia 11 de fevereiro com problemas renais. Após piora em seu estado de saúde, em 17 de fevereiro, ela foi transferida para o Hospital Primavera, na capital sergipana, onde encontrava-se na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) desde então.

Os últimos boletins médicos de Paulinha informavam que as lesões neurológicas da cantora haviam aumentado.

NOTA DE FALECIMENTO

A nota de falecimento publicada pela equipe de Paulinha citava morte cerebral: “Foi então iniciado protocolo diagnóstico de morte encefálica, que confirmou hipótese após exames clínicos e complementar específicos”.

A cantora sofreu uma inflamação generalizada que atingiu vários sistemas do corpo, incluindo o nervoso, o urinário e o digestivo. Isso fez com que órgãos como o cérebro, os rins e o fígado dela ficassem comprometidos e parassem de funcionar corretamente.

Via Revista Cifras

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo